Friday, September 23, 2016

Clube do Choro apresenta Grupo Gente de Casa - Show de gravação do DVD


Dia 24 de setembro, sábado, no Clube do Choro de Brasília.

Formado em 1975 para participar do saudoso Festival de Música da UNB, o grupo musical Gente de Casa sempre fez parte do cenário musical brasiliense e sempre foi figura carimbada nos grandes eventos culturais da cidade. O grupo em suas várias formações sempre em torno do trio, Paulo Lins, Flavio Batichotte e Denis torre, teve a honra de ter vários músicos participando destas formações, e agora decidem gravar seu 1º DVD com vários destes músicos e amigos convidados.

Teve sua formação musical baseada em festivais, nos quais quase sempre arrebatava um prêmio. Fora de Brasília, foram inúmeras as apresentações da banda, com destaque para Catalão (GO), Paracatu (GO), Itaocara (RJ) Barra do Piraí (RJ), Teatro da Praia – Ipanema (RJ), Ouro Preto (MG) e participações no Festival da CEF em Vitória (ES), Manaus (AM), Brasília (DF) e Campos do Jordão (SP).

O grupo foi também um dos pioneiros em gravações na cidade, tendo lançado em 79 um compacto duplo, gravado no Studio Gravasom. Gravou também outro compacto no mesmo ano pela gravadora Continental de São Paulo, por ter vencido o concurso da Rádio América do Rio de Janeiro e Revista YOU e logo após lançou seu primeiro CD.

No show atual o grupo faz uma coletânea do primeiro CD e de apresentações anteriores, tocando também músicas de compositores consagrados como Criaturas da noite (gravado pelos grupos “O Terço” e “14 Bis”), Espanhola (Flávio Venturini), Pássaro (Sá & Guarabira) e Fazenda (Milton Nascimento), entre outros.

Todas as músicas têm arranjos novos e diferentes dos modelos originais, com destaque para os vocais que são a marca registrada do grupo.

Componentes da Banda Base:

Paulo Lins ……………………Violão / vocal
Flávio Batichotte……………Violão / vocal
Denis Torre……………………Bateria / vocal
Genaldo Mendonça………..Baixo
Rogério Peyroton………….Teclados
Jorge Macarrão……………..Percussão
Luciano Silva………………..Guitarra
Marcus Evandro……………Baixo / aculelê e violão de 12 cordas


Convidados:

Juçara Batichoti…………….Vocal
Cayê Milfont………………..Violão/Vocal
Yara Marcia…………………Vocal
José Antonio………………..Teclados
Paulo Márcio………………..Bateria
José Evangelista……………Flauta
Soninha ………………………Vocal
Paulinho Beethoven……..Violino


INGRESSOS:
Valor: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia).

Onde comprar:
Clube do Choro de Brasília – SDC BLOCO “G”. (Entre a Torre de TV, o Centro de Convenções e o Planetário.)


Funcionamento da bilheteria:
De 2ª a 6ª feira: das 10h às 21h30
Sábado: das 19h às 21h30
Telefone para contato: 61-3224-0599.
Classificação: 14 anos

Tuesday, September 20, 2016

9ª EDIÇÃO DO CHÁ COM LETRAS – EMBAIXADA DA ÍNDIA



Chá com Letras will be held every month at the Indian Embassy in Brasilia. It aims to bring together writers and poets of Brazil and India.
It is an initiative of the poet-diplomat Abhay Kumar, the new Deputy Chief of Mission of India to Brazil, with the support of the Brazilian poet Marcos Freitas.

Poetas participantes:



João Carlos Taveira nasceu em Caratinga, Minas Gerais, em 17 de setembro de 1947. Ali cursou o primário, o ginasial e o científico. Em 1969, mudou-se para Brasília, onde trabalhou na Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) e na Viação Aérea São Paulo (VASP). De 1987 a 1989 foi diretor da Divisão de Desporto, Lazer e Turismo, na Administração do Núcleo Bandeirante, no Governo José Aparecido de Oliveira. De 1999 a 2002 trabalhou com o Engenheiro e Físico Paulo Gontijo, na organização de obras literárias e na construção do Templo da Ciência — situado no município de Ipameri, Goiás. Com formação em Letras Neolatinas, trabalha como revisor e coordenador editorial. Durante 10 anos, foi editor da revista Literatura, de Nilto Maciel, e editou também a revista DF-Letras, da Câmara Legislativa do Distrito Federal, por cinco anos. Pertence à Academia Brasiliense de Letras, à Academia de Letras do Brasil, à Associação Nacional de Escritores e ao Instituto Histórico e Geográfico do Distrito Federal, de que foi vice-presidente. Em 1994, recebeu do Governo do Distrito Federal a Comenda da Ordem do Mérito Cultural de Brasília, por relevantes serviços prestados à comunidade artística e cultural. De 2006 a 2010 foi Conselheiro de Literatura no FAC (Fundo de Apoio à Cultura) da Secretaria de Estado de Cultura do Distrito Federal.

Em 2 de outubro de 2012, João Carlos Taveira foi homenageado pelo grupo POEMAÇÃO na Biblioteca Nacional de Brasília, coordenado pelos escritores Jorge Amâncio e Marcos Freitas, com apresentação ilustrada e minuciosa de sua vida e de sua obra. O Sarau Videoliteromusical Poemação, na sua 29ª edição, teve a participação do poeta, que, após declamar alguns poemas de sua autoria e agradecer a presença de todos no auditório, considerou a homenagem, entre as que tem recebido, uma consagração de sua trajetória literária. No dia 14 de março de 2013, o grupo POEMAÇÃO, em comemoração ao Dia Nacional da Poesia, promoveu o Sarau do Beijo no Memorial Darcy Ribeiro — Campus da Universidade de Brasília. O evento foi marcado pela homenagem ao escritor João Carlos Taveira e teve a participação de Amneris, Anand Rao, Nicolas Behr, Vicente Sá e vários outros poetas, atores, cantores e artistas da cidade. Foi uma noite memorável, em que a poesia brilhou soberana sob as bênçãos de Castro Alves, o grande aniversariante do dia.

Obra Poética
  • O Prisioneiro, 1984, Brasília: Ed. Regional;
  • Na Concha das Palavras Azuis, 1987, Brasília: Thesaurus;
  • Canto Só, 1989, Brasília: Ed. Regional;
  • Aceitação do Branco, 1991, Brasília: Thesaurus;
  • A Flauta em Construção, 1993, Brasília: Thesaurus;
  • Arquitetura do Homem, 2005, Brasília: Thesaurus;
  • João Carlos Taveira: Poemas, 2011, Jaboatão dos Guararapes: Editora Guararapes;
  • João Carlos Taveira: 30 Anos de Poesia, 2014, Jaboatão dos Guararapes: Editora Guararapes.
  • O Prisioneiro, 2014, 2.ª edição revista e comemorativa, Brasília: Thesaurus.
A Fortuna Poética de João Carlos Taveira — Lições de Poesia, de Alan Viggiano, Editora Ideal Ltda., Brasília, 2012;
“A contenção rigorosa do verso de João Carlos Taveira também me lembra algo de Rilke no seu despojamento para a indagação do mistério, o reverso do olhar.”     FAUSTO CUNHA

“Taveira consegue a maturidade do verso e do silêncio. A música de uma viagem incandescente entre Minas e o amor, passando pelo mundo. Poesia contida, densa, dútil, serenamente humana.”           CARLOS NEJAR
“Embora muito subjetivo, Taveira é muito representativo de sua região cultural: Minas Gerais. Como a poesia dos seus contemporâneos, a sua poesia é transparente, alheia à cor violenta da poesia nordestina do modernismo. Ou mesmo a paulista verde-amarela de Cassiano Ricardo”.             CASSIANO NUNES



José Luiz do Nascimento Sóter - apresenta-se como poeta marginal da geração mimeógrafo de Brasília. Professor da rede pública, coordenador da Associação Brasileira de Radiodifusão. Os textos de Sóter republicados em Renitência Lunar (Semim Edições) foram escritos em Brasília entre 1978 e 1998, “por isso retratam momentos vividos sob a tensão da censura e do totalitarismo obscurantista". Como lema da Oswaldiana “Amor com humor” e a Pessoana “Chega de heróis, quero gente” e como mote a poesia libertária de Mário Quintana. Nas entrelinhas e nos entretantos as transições dessas duas décadas de transformações mundiais”, confessa o autor. Nosso emblemático da poesia brasiliense dos anos de rebeldia e contestação. 

#Agrestina – A mais nova obra de Sóter foi viabilizada pelo financiamento coletivo, ou seja, com a contribuição de fãs, amigos, colegas, ou simplesmente, de admiradores da arte e da poesia genuinamente brasileira.

Poeta brasiliense da geração mimeógrafo, o goiano José Sóter é um assumido amante da capital federal. Com 14 obras lançada pelo selo SEMIM Edições, que ele mesmo criou para as publicações de colegas da poesia marginal dos anos 70 e 80, Sóter contempla os encantos e desencantos da cidade sem cantos em boa parte de seus livros. Porém, outra paixão chamada “Nordeste”, sempre foi motivo de saudade e alegria em seu coração.



Rômulo Neves nasceu em Anápolis (GO), em 1977. Como diplomata, morou na Venezuela, Suriname e Etiópia. É Mestre em Sociologia pela USP e em Diplomacia pelo Instituto Rio Branco. Foi jornalista na Folha de São Paulo e na Gazeta Mercantil. Atualmente, além de seu trabalho como diplomata, apresenta o programa Jazz Brasil, transmitido pela Rádio Nacional, em Brasília, e pela Rádio MEC/FM, no Rio, e mantém a coluna de literatura Dedo de Prosa no Metrópoles.

Seu livro mais recente denominado “Terminal” é um compilado de poesias, escritas entre 1999 e 2016, e de fotografias tiradas pelo próprio escritor. O lançamento aconteceu sábado passado 17/09, no Ernesto Café da 115 Sul e na terça 20/09, a partir das 19h, no Café Objeto Encontrado da 102 Norte. Haverá ainda mais dois lançamentos: em São Paulo no dia 01/10, as 14h30, no Centro Cultural Tapera Taperá e no Rio no dia 11/10, a partir das 18h, no Bar Anexo Munganga. “Terminal” tem 136 páginas divididas em seis seções: Egos, Eros, Ecos, Êxodos, Ethos e Elos, que tratam respectivamente da construção da personalidade, da sexualidade, do diálogo com outros poetas, do diálogo com o espaço, de situações do cotidiano e da relação com a própria literatura.




Alceu Brito Côrrea, engenheiro elétrico e poeta belorizontino. Publicou Epiciclo (2002), pela editora Blocos, do Rio de Janeiro, e Ekinox, de poesia. É coautor de Fincapé, com o Coletivo de Poetas, entre outras coletâneas. Colaborou com diversas antologias de contos e poesia, no Brasil, Portugal e na Itália, dentre elas Mais Uns e Fincapé, do Coletivo de Poetas. O seu novo livro de poemas é intitulado “Flor de Organza”.

Detentor de vários prêmios em concursos de literatura no Brasil e exterior, consta como verbete na Enciclopédia da Literatura Brasileira Contemporânea, no Dicionário de Poetas Contemporâneos e Dicionário de Escritores de Brasília. Detentor de muitos prêmios de mérito cultural e literário, mais especialmente, o Colar de Mérito Cultural e Medalha Stella Brasiliense e a medalha Autore dell’anno 1999 conferido pela Comissão de Leitura Internacional da Edizione Universum de Trento, Itália. Integra várias entidades voltadas para a cultura e a literatura, foi tesoureiro e secretário do Sindicato dos Escritores do Distrito Federal e é Titular da Cadeira João da Silveira Mello, da Área de Letras, da Galeria dos Academicus Praeclarus do Clube dos Escritores Piracicaba.


SERVIÇO
IX Edição do Chá com Letras
Embaixada da Índia - Brasília
Data: 23 de setembro (sexta-feira)
Horário: 17:30 hs


Monday, September 19, 2016

Lançamento do livro Agrestina, do poeta Sóter



BENEDITO FREITAS FILHO - Poemas reunidos


BENEDITO FREITAS FILHO

Benedito da Rocha Freitas Filho nasceu em Floriano, Piauí em 05 de abril de 1929. Formado em Direito, funcionário aposentado do Tribunal de Contas da União — TCU, professor, historiador, cronista e poeta. Patrono da Cadeira n. 26, da Academia de Letras do Brasil, Secção Distrito Federal.

FREITAS FILHO, BeneditoPoemas reunidos: Benedito Freitas FilhoSeleção, revisão e prefácio: Marcos Airton de Sousa Freitas.  Brasília, DF: Thesaurus Editora, 2013.  182 p.  (Coleção Itiquira) 14x21 cm  ISBN 978-85-409-0261-9

A Poesia de Benedito Freitas Filho é puro lirismo, de acento telúrico, onde a temática da justiça, do tempo, do destino, da vida, da morte, da solidão, do amor, desde seus primeiros poemas até os mais recentes, num percurso de quatro décadas. Temáticas universais. Sabedor de que a poesia não se faz apenas de palavras, mas de experiências, vivências e, sobretudo, invenção. São versos sem medida, livre, não obstante, em geral rimados. Mostra-se um poeta no pleno domínio instrumental, com bom nível de realização formal. De uma riqueza imagística e preocupação místico-religiosa, inúmeras vezes.”  MARCOS FREITAS


A JUSTIÇA

I
Já dizia o velho Rui,
Há meio século passado,
Que o império da injustiça
 Há muito era chegado.
II
Que diria o luminar
Do Direito e da Justiça,
Se ainda hoje vivesse
Diante de tanta injustiça!
III
Até homens de bem,
Para nós esteio moral,
Servindo junto aos Governos
IV
Parece que são também
Contaminados do mal,
Cometendo os mesmos erros.

         Teresina (PI), 09.1973


O TEMPO – II

Veloz o tempo passa,
E nós, envoltos em azáfama
Do dia-a-dia, não percebemos
Que o tempo é como a fumaça.
Se criança, manhã cedo,
Mau humorada e de sacola,
Com muito cuidado e zelo
Os pais a levam à escola.
Se adolescente e estudioso,
Cuida cedo por si mesmo.
Vai ao colégio, esquece o repouso,
O livro sempre sobre a mesa.
Adulto já, é o trabalho,
A casa, os filhos, o cuidado
Com o carro velho,
A água, a luze  os alimentos.


MEU FILHO MARCOS AIRTON

É uma criança magrela,
Dos cabelos de fiapo.
O carinha de tigela,
Meu filho chamado Marcos.
Pequenino e raquítico,
É verdade. Não se iluda...
Fala mais que o periquito
E é o que mais estuda.
Em casa é muito peralta.
Na escola pelo contrário...
De nota sempre alta.
Ao papai dá prazer,
Pois estuda, não dá trabalho,
Para boas notas merecer.

         Teresina (PI), 21.09.1973